domingo, junho 17, 2007

Tormento



Dizes-me maravilhas e vais embora
Nesta hora calma da noite,
Quando o sono chegou e se foi.
Aprendo que ouvir é deleite
Fogo invadindo a escuta
Incendiando o pensamento quieto
Atordoando o sonhar.
Atiças e vai-te embora.
Da próxima vez ficarei surda.

Sílvia Câmara

7 comentários:

Verônica Aroucha disse...

Silvinha, querida, adoro seus textos!
...Espero que jamais fique surda...
Bjs e abraços.
Verônica

Bosco Sobreira disse...

Texto poético bem construído. Belo!
Um abraço e o desejo que sua estada aqui seja proveitosa.

Decio Bettencourt Mateus disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Decio Bettencourt Mateus disse...

Sílvia: passei e gostei: Palavras harmoniosas e delicadas. E bonitas. Parabéns!

Décio

Nancy moises disse...

Eii querida seu blog é destaque Poesia na quinzena no Lua em poemas.. Clique em Premio Poesia no Menu preto na lateral de meu blog e pegue seu premio. bjs

LIRIS LETIERES disse...

Fique surda "dijeituninhum" mulher!
Escutar é arte sua e o que escutas tranforma em pura poesia!
Belíssimo, cara!
Liris feliz com a Brisa Letieres

Conceição Pazzola disse...

Sílvia,

Amei os versos atormantados.
Eita que inspiração, mulher!
Beijo,

Conceição
PS. Passe lá...