terça-feira, julho 24, 2007

Raízes



Ah meu Deus
Por que eu não consigo
Fazer nascer esse poema?
As palavras já estavam escolhidas.
Onde será que elas se esconderam?

Agora já não lembro mais nada.
Só umas raízes que se pegaram em mim
Adormeceram no meu sono
Enroscaram-se feito réptil
E o limo tomou conta de nós.

Sílvia Câmara

4 comentários:

Campêlo disse...

A negação pode ser uma afirmativa.
Depende da hora e do lugar. Mas, tudo são coisas da vida. Parabéns, poetisa. Gostei de visitar o seu blog.
Clóvis Campêlo
Recife

MARIAESCREVINHADORA disse...

As raízes continuam fincadas no solo fértil. É apenas questão de tempo, Sílvia. A qualquer momento, de uma hora para outra, do limo brotará o que você plantou.
Beijo,

Conceição.

Guto Melo disse...

Ninguém escapa às travessuras da palavra.

Sorte.

José Calvino disse...

Vê se está certo, Silviamiga?
A força desses versos está no conseguir nascer uma poesia...
E isso já colheu o que plantou.
Abração,
Calvino
Recife