quarta-feira, agosto 08, 2007

O trem carrega os sapotis

Manilkara zapota




Derrama-se no horizonte
Uma linha em curva.
Os trilhos dão a volta
Descortinando um pomar.

Enceguecida, ela espera.
Toda semana é assim:
Um apito avisa que
É janeiro, e os sapotis amadurecem.

Sílvia Câmara

5 comentários:

José Calvino disse...

Silviamiga,

Viajando nesse trem e ouvindo a "Sapoti", me lembrei do trem de Nazaré. Quando chegava nas estações, meninos e meninas vendiam sapotis...Quantas saudades... Rapaz!,estou agora com água na boca,

Calvino

Verônica Aroucha disse...

Que descortinar lindo, amiga.
Logo sapoti, eu adoro.
Tá bonito demais.
Beijos e abraço imenso.
Verônica

Maria Muadié disse...

Lindo, Sílvia. Amei.

No verão, meu avô me dava sapotis maduros. Era um ritual, ele andava arrastando os chinelos até um quarto em que ficavam as frutas que vinham da fazenda. Eu o seguia, ele abria a porta, escolhia os maduros daquela tarde e eu juntava as mãos´para receber.
Adoro sapotis.
um beijo,

Sílvia Câmara disse...

Pois é...trens e sapotis...apitos e sabores.
Tão boa essa memória.
Obrigada, amigos

MARIAESCREVINHADORA disse...

O trem e o pomar, a menina, os sapotizeiros carregadinhos que espalham o doce aroma nos ares...
Linda imagem, Silvinha.
Beijos,

Conceição