terça-feira, dezembro 16, 2008

Lembrança

(Dedicado à Adélia Prado)

foto: Sílvia Câmara


Evoco luzes fugidias
Do devaneio e da lembrança.
Naquele lugar,
Onde memória e imaginação se fundem.

Construo paredes
Com sombras impalpáveis,
Reconfortando-me com ilusões de proteção
Ou tremendo atrás de muralhas.

Eis que ela aparece:
A casa. Aquela casa.
A minha fortaleza.
E fico em paz!

Sílvia Câmara

9 comentários:

Pavitra disse...


na memória e na imaginação
há coisas de interioridades...
desfronteiramentos...
e avistamos a casa que nos acolhe...

e a sua poesia me acolhe e me comove
mas tbm fico em paz.

Janaina Amado disse...

Todo mundo tem uma casa-relíquia assim, né não?

On The Rocks disse...

ah! home, sweet home...

bj

Miguel Barroso disse...

E assim se constrói uma jangada.Boa viagem!

Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Verônica Aroucha disse...

Silvinha... Lindo poema!
Sensível, troca de identidade, para sentir a emoção de Adélia.
Só o Amor consegue chegar ao topo assim: uma casa.
Querida, seja 2009 de saúde e paz.
Perdoe minha ausencia, saiba, sempre estás no meu coração.
bjs
Verônica Aroucha

Anônimo disse...

belos poemas! E bons ensaios...

http://narracao.blogspot.com/

narracao disse...

Cheguei ao brisa "pulando de blog em blog"!
Na minha próxima atualização linkarei o teu blog lá.
abraço!

On The Rocks disse...

"a paz invadiu meu coração..."

bj

Janaina Amado disse...

Eu voltei ao meu blog, depois de um bocado de tempo, e passei aqui para um abraço, e também para lê-la. Cadê você? Volta!