segunda-feira, abril 16, 2007

Um poema-siará

Tela de Jaime Carbonell


Um dia nasci siará
Eram tantos sonhos de ave
Que atrapalhavam a manhã.

Seria um vôo-alvorada
Noite toda fazendo serão
Nas palhas-casa da bananeira.

Quando cresci siará
Cavalgava o mato alto
Catando cajus e jatobás.

Herança rezadeira
Doces de narupemba
Goiabas de minha avó.

Cacimba vazando no inverno
Carreira de camaleão
Pulando de galho-em-galho.

Ramagem que voa ao vento
Um dia parti siará
Reluzindo na garganta um grito.

Bússola voltada ao norte
Raiz em duna plantada
Aportando em outra duna.

Do cantar forte da jandaia
Às brancas areias de águas escuras
Um dia morri siará.

Sílvia Câmara

.

3 comentários:

MARIAESCREVINHADORA disse...

Quanta beleza e sentimento, Silvinha!
Reluzindo na garganta um grito... Lindo demais! Adorei, amiga.
Beijo,

Conceição

Maria Muadié disse...

Lindo, Silvinha. Adorei.

poeta disse...

Lindo, lindo, lindo, Poeta.
Parabéns!