segunda-feira, abril 30, 2007

Sobre como aquecer uma cabana


Abres a porta dos fundos
E trazes o frio do mundo
Vindo não sei de onde
Chega contigo o aroma.

Cheiro de mato quebrado
De terra orvalhada
Vem contigo o abandono
Das pedras jogadas ao rio.

O peixe chega antes
Anunciado pela urgência
Do vento e da fome

Velejando na rota do sonho
Chegas sem ferir o tempo
E aqueces a casa inteira.

Sílvia Câmara

2 comentários:

Maria Muadié disse...

Lindo

MARIAESCREVINHADORA disse...

Lindos versos, Silvinha.
Continue aquecendo-nos com a sua inspiração.
Grande abraço,

Conceição.