quinta-feira, janeiro 25, 2007

Tentativa para uma amiga

Foto daqui de casa


A amiga cobrava uma poesia.
Mas como fazer se ela não sabia fazer?
O que importava era dizer do sentimento:
Todo o sentimento do mundo
Talvez não supere essa amizade.
Mesmo quando a distância e a vida separam
A ligação permanece.
Como almas-irmãs elas caminham
Os caminhos às vezes se bifurcam,
Mas numa encruzilhada ou n’outra
Elas se reencontram e prosseguem.
Quisera saber fazer um poema
E dedicá-lo à amiga
As palavras fogem, voam para longe.
Nem o vento hoje veio ajudar
Ah! Se ele roubasse uns versos de alguém
E os trouxesse aqui...
Quem sabe uma canção de ninar
Fosse mais adequada?
Seria melhor um colo, um regaço,
Um ombro onde encostar a cabeça
E se deixar estar?
Não estás vendo? Isso tudo já está aqui
É só querer ver. Olha! Percebes as entrelinhas?
Foi o coração quem escreveu.
Feliz aniversário, amiga!

Sílvia Câmara

(Dedicado a minha amiga Adriana, que faz aniversário hoje)


5 comentários:

wilma disse...

Silvete, adorei. Não conhecia este seu lada "poeteira" rs. Parabéns! Aguardo-lhes no domingo.
Beijos,
Wilmete

Verônica Aroucha disse...

Que linda Silvinha!
Adriana encontrou as palavras escondidas nas entrelinhas, dos abraços dados, das lágrimas compartilhadas, dos risos soltos e também, no silêncio de quem confia.
Parabéns.
Verônica

Marta disse...

Olha,minha Amiga,
Eu percebi nas entrelinhas,
todo o sentimento do mundo
subindo da terra e descendo do céus
E ela não fazia porque não sabia?!!
Diria:
Aplausos!!
Um beijo
Marta Valim

Adriana disse...

Silvinha...
Como amei!!!
Você sabe como ninguém o quanto as palavras me seduzem, me afagam e me tocam.
Ora, sentimentos?
Esses, para mim, não fazem parte das entrelinhas, mas de um resgate mental, espiritual, histórico, empático e essencialmente da pureza entrelaçada às palavras.
Sei que é verdadeiro, pois não sentir, seria um lapso memorial insano.
Amigas?
Sem registro anterior, pois a infância e adolescência por um acaso foi de desencontros... Será?
Mesma cidade, mesma geração, mesmos lugares, e mesmas recordações.
Amigos em comum, paqueras em comum e mesmo assim...?
Adultas?
Alegria e personalidades fortes, mas o foco foi a sintonia, o respeito e o bem querer.
E o que virá, dirá!
Encontro, seguidos de encontros, lições de vida e por fim o desconvívio quase fatal.
E no entrelace de sentimentos e vivência, resurge. E ele está e resurgirá sempre que for necessário.
"Continuidade", esse é o lema da nossa união e de nossa amizade.
Amigas do peito, lembra?
" Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito, dentro do coração..."
Te amo amiga!
Minha irmãzinha querida...
Por mim, estaríamos hoje recordando e revivendo bons momentos juntas aí em Salvador, terra maravilhosa.
Sei que estararíamos criando e recriando situações inusitadas e reais, típicas de nossa persona astral. Até isso?
Que Deus abençoe o seu irmão e a sua mãe por terem nos dado esse grande presente: O ENCONTRO, RESULTANTE DE NOSSA AMIZADE!
Estou feliz!
O maior presente! Sente?
Conto contigo e conte comigo sempre!

UM BEIJO NO CORAÇÃO,
ADRI

Paula disse...

Olá Silvia!

Sou amiga da Adriana! Hoje ela me mostrou a belíssima poesia que vc escreveu para ela no dia do seu aniversário! Que lindas as palavras e que sentimentos tão sinceros! Parabéns pela amizade que vcs mantém, pois é, sem sombra de dúvida, algo mto precioso! Paz!

Um grande abraço,
Paula.